DESCRIÇÃO HERÁLDICA

ARMAS:

ESCUDO de verde, um ZIMBÓRIO sustendo uma CRUZ DE CRISTO ambos de prata, acompanhado em chefe de duas LUCERNAS de oiro acesas de vermelho perfilado de oiro, a da dextra voltada.

ELMO MILITAR, de prata, forrado de vermelho, a três quartos para a dextra.

CORREIA de vermelho perfilado de oiro.

PAQUIFE e VIROL de verde e de prata.

TIMBRE: um leão rampante saínte de oiro, segurando na garra dianteira dextra uma espada em pala e, na sinistra, um livro aberto do mesmo.

CONDECORAÇÕES: circundando o escudo o colar de cavaleiro da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito.

DIVISA: num listei de branco, ondulado, sotoposto ao escudo, em letras de negro, maiúsculas, de estilo elzevir, “UM POR TODOS TO­DOS, POR UM“.

Grito de Guerra: num listei de prata, ondulado, sobreposto ao timbre, em letras negras, maiúsculas, de estilo elzevir, “ZACATRAZ“.

 

SIMBOLOGIA:

ESCUDO de verde, um ZIMBÓRIO sustendo uma CRUZ DE CRISTO ambos de prata, acompanhado em chefe de duas LUCERNAS de oiro acesas de vermelho perfilado de oiro, a da dextra voltada.

ELMO MILITAR, de prata, forrado de vermelho, a três quartos para a dextra.

CORREIA de vermelho perfilado de oiro.

PAQUIFE e VIROL de verde e de prata.

TIMBRE: um leão rampante saínte de oiro, segurando na garra dianteira dextra uma espada em pala e, na sinistra, um livro aberto do mes­mo.

CONDECORAÇÕES: circundando o escu­do o colar de cavaleiro da Ordem Militar da Tor­re e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito.

DIVISA: num listei de branco, ondulado, sotoposto ao escudo, em letras de negro, maiús­culas, de estilo elzevir, “UM POR TODOS TO­DOS, POR UM“.

Grito de Guerra: num listei de prata, ondu­lado, sobreposto ao timbre, em letras negras, maiúsculas, de estilo elzevir, “ZACATRAZ“.

SIMBOLOGIA:

O ZIMBÓRIO representa o edifício princi­pal das instalações do Colégio, monumentalmen­te definido pêlos claustros, como base, e por aquele como remate condigno da cobertura da Capela.

É ainda como cúpula, remate de obra edu­cativa portuguesa com a sua CRUZ DE CRIS­TO plena de simbolismo de fé e de patriótico portuguesismo.

É por último, um dos símbolos de um anti­go arrabalde de Lisboa conhecido por Luz, on­de o Colégio Militar se instalou desde 1813, o que deu origem á designação popular e prestigio­sa de “Meninos da Luz” para referenciar os seus Alunos.

As LUCERNAS são o símbolo da luz do espírito, da fé viva e da força da sabedoria, alicer­ces da juventude em formação educativa.

A figura do LEÃO justifica a raiz histórica do Colégio, que nasceu por iniciativa de um Ofi­cial do Exército e desde logo foi tutelado oficial­mente pelo Exército e pelo Rei ao passar a cha­mar-se Real Colégio Militar (1813).

Também expressa uma ligação, de finalida­de oficial, à Academia Militar.

O simbolismo de força do leão é reforçado também pelo LIVRO e pela ESPADA, que em­punha na vertical, como preocupação que o sa­ber e a ética militar safo dois fatores cimeiros e importantes na formação de alunos do Colégio Militar.

A divisa “UM POR TODOS, TODOS POR UM” representa sinteticamente a tradicio­nal camaradagem e solidariedade que une os Alunos do Colégio. Significa também uma ma­neira profundamente humana, cristã e portugue­sa de “estar na vida”, como modo de “Servir” a Pátria e a Humanidade.

O “ZACATRAZ” é o grito ou o sinal da presença do Colégio Militar, através dos seus Alunos ou Antigos Alunos; é a expressão unívo­ca dos mesmos; é evocação laudatória e ritmada da unidade entre o passado, o presente e o futu­ro, ligados pela tradição educativa do Colégio e testemunhado na vida e na História do País dos dois últimos séculos, pelos cidadãos que nele fo­ram educados.

Os esmaltes significam:

O OURO a natureza do ideal que presidiu à fundação do Colégio Militar, para educar uma juventude em sabedoria, em fortaleza de ânimo e fidelidade à Pátria.

A PRATA a riqueza que encerra no seu interior, uma juventude plena de esperança e de pureza de ideais.

O VERMELHO o valor dinâmico da força de uma juventude bem formada na evolução da sociedade em que se integra.

O VERDE a esperança na juventude em educação e também dela própria, no futuro.