Colegio Militar

 

O Colégio Militar teve berço em Oeiras, com o nome de Colégio de Educação do Regimento de Artilharia da Corte, no quartel da Feitoria, no ano de 1803, pela mão do então Coronel Teixeira Rebello, comandante daquela unidade militar sediada nas proximidades da fortaleza de São Julião.

historial01

Criado há mais de dois séculos, numa conturbada época da vida nacional, o Colégio Militar surgiu não por força de qualquer decreto friamente concebido numa secretaria, mas por iniciativa de um homem cuja vida constitui aliciante exemplo de dádiva total ao serviço da Pátria, desde o dia em que, com 14 anos incompletos, sai da sua aldeia transmontana para se alistar voluntariamente nas fileiras do Exército:

O Marechal António Teixeira Rebello ( 1750 - 1825 ). Evocá-lo é trazer à lembrança o perfil moral de uma grande figura de soldado e educador. Filho de modestos lavradores, nasceu em 17 de Dezembro de 1750, em Cumieira, humilde aldeia transmontana. Foi sua coroa de glória incontestável a fundação do Colégio Militar.


Deu-lhe ensejo para isso o ser nomeado em 1802, comandante do Regimento de Artilharia da Corte, unidade militar aquartelada no Forte da Feitoria, a par de São Julião da Barra.dir1a

Era  então coronel. Preocupado com a ocupação e educação das crianças e jovens familiares da sua guarnição e de civis da região, cria, na Feitoria anexa, uma escola cujos agentes de ensino seriam os próprios militares do seu Regimento. Nasce assim, o Colégio da Feitoria em data que se consagrou ser o dia 3 de Março de 1803.

Os primeiros alunos ali educados distinguem-se pelos seus conhecimentos militares, pelo seu comportamento e bravura nas campanhas contra as tropas invasoras de Napoleão.

Desde o seu nascimento o Colégio esteve instalado em diversos locais ao longo de toda a sua vida. Inicialmente, foi seu berço a Feitoria, de 1803 a 1813. Por portaria de 1814 o Colégio é transferido para o edifício do Hospital de Nossa Senhora dos Prazeres, na Luz, com a designação de Real Colégio Militar, onde permanece até 1835. Depois passa para a extinta Congregação dos Missionários, denominada de Rilhafóles ( o efectivo havia sofrido um aumento substancial, nesta altura ), onde esteve de 1835 a 1848. Em 1848 é transferido para Mafra onde fica até 1859. Novamente na Luz até 1870, volta a Mafra até 1873, ano em que regressa para a Luz, onde se tem mantido até aos nossos dias.

O Fundador nasceu na freguesia da Cumieira, concelho de Santa Marta de Penaguião, em 1748 e faleceu em Lisboa, a 5 de Outubro de 1825. Foi Fidalgo da Casa Real, Conselheiro, Comendador da Ordem de S. Bento de Avis, Marechal de Campo, Ministro e Secretário de Estado, fundador e primeiro director do Colégio Militar.